domingo, 8 de janeiro de 2012

Começar 2012 com o velho da marreta !!!

Pois bem, e nada melhor para começar o ano velocipédico de 2012 que com uma poderosa e certeira marretada do Velhote da Marreta !!! Antes de passar ao relato desta primeira marretada, quero desejar a todos um ano cheio de saúde, pois o resto já sabemos que não vai ser facíl, resta-nos lutar pra que este 2012 no mínimo não seja pior que foi o 2011.

A subida à Sierra da Gata é uma mítica etapa de 190km que nos leva até ao país vizinho, e a percorrer as belas paisagens raianas, já fiz esta tirada uma meia dúzia de vezes, mas é uma das minhas etapas favoritas. Pena que este sábado não pude estar presente à hora da partida, o pequeno Mário está doente e não era de meu agrado ter de o levantar às 6h30 da manhã e deixá-lo em casa dos avós, por isso apenas consegui começar a pedalar às 10h30.

Fui ao encontro do pelotão em sentido contrário, e sozinho fiz 52km até chegar a Vila Boa, pelo caminho o vento que nunca me largou e o frio ao chegar ao Sabugal começaram como que a "chamar o velhote da marreta" que mais tarde viria ao meu encontro, e que encontro!!! Bem e que pelotão fui eu encontrar, pois apenas sabia que dele faziam parte o Cavaca, Guilhermino e Paulo, vinham também o Bruno, Palmeirão, Duarte e o Tiago, tudo andar a gasolina refinada... Zás daqui zás dali !!! e nem mesmo na longa descida de Santo Estêvão (que tanto me custou a subir) até ao Terreiro das Bruxas os Záaassss pararam, e ao passar o cruzamento de Sortelha o Velho da Marreta lá estava sorridente prontinho pra me acertar, contudo ainda consegui recolar com a ajuda do Bruno e enfiar-me no meio do pelotão à roda do Tiago, e tão bem que eu ia até que um novo e poderoso Záaassss no pelotão ditou o final de todas as minhas reservas.

Sempre com a preciosa ajuda do Bruno lá ia conseguindo seguir na sua roda para tentarmos recolar ao grupo tarefa que era mais que impossivél tal era o nivél desgaste que eu levava. Com o Bruno sempre a animar-me lá inicía-mos a subida à Srª Carmo, ele a empurar-me e eu a pedalar o que ainda conseguia, mas quase a meio da subida tive de parar e desmontar, caso contrário caía pro lado. São atitudes como a que um atleta com a qualidade do Bruno teve para comigo, que fazem valer a pena o sofrimento que por vezes somos sujeitos em cima da bicicleta, sabermos que temos um Amigo que nunca nos deixa para trás... Oxalá fosse assim na vida !!!!


Bons empenos

Sem comentários:

Publicar um comentário